10 motivos para não bater nos seus filhos

Você bate no seu filho? Dá chinelada? Palmada? Um tapa na mão? “Pescotapa”? Então pare uns minutinhos para ler esse texto.

Fico meio impressionada em ver que a quantidade de pais e mães que, ainda hoje, com tanta informação, batem nos filhos. E acham que é bom. Que está certo. Que isso vai dar uma educação muito melhor. E o argumento que mais escuto: “eu apanhei e fiquei muito educado, honesto, etc, etc”. Sim, claro, tão educado que resolve os problemas na pancada. Desculpe, mas é a verdade.

Para quem leu a última frase e continua por aqui, vou colocar alguns motivos para não bater no seu filho para você refletir a respeito. No final, claro, a decisão é sua. Mas desejo, sinceramente, que você pense seriamente a respeito de romper o ciclo de violência e criar uma cultura de paz na sua casa e que influenciará por toda a vida dos seus filhos e netos.

palmada-educativa

  • Bater em uma criança é covardia. É coação. Você é muito maior e mais forte. Você ainda tem a autoridade de mãe/pai. A criança não pode reclamar, xingar, fugir, se defender, bater de volta. Pelo contrário, se ela fizer isso, apanhará mais, porque faltou com o “respeito”. Epa, quem faltou com o respeito primeiro?
  • Dói, né? Se você apanhava dos seus pais, como você se sentia? Medo, raiva, acuado, assustado, humilhado, com dor são sentimentos familiares? Bem, o seu filho deve sentir a mesma coisa. Apanhar detona a confiança e a auto-estima de qualquer um, é cruel e degradante. Você fica feliz em perceber que ele se sente assim em relação a você?
  • O exemplo vem de casa. Se o seu filho entrar numa pendenga com um colega e bater nele, não é justo você recriminá-lo. Você deu o exemplo, resolvendo as coisas com ele desta forma. Se você quiser que ele resolva as coisas na conversa, deve dar o exemplo. Já ficou provado não sei quantas vezes – além de ser conhecimento popular – que as crianças entendem e seguem muito mais os exemplos do que o blá blá blá vazio.
  • É assim. Pode ser que o seu filho ainda seja pequeno, mas já se prepare: muito provavelmente, seus netos vão apanhar. Afinal, você está ensinando que o jeito de educar é esse.
  • A coisa certa pelo motivo errado. Já perguntou a uma criança que apanha o motivo de ela não fazer tal coisa? Eu já. E elas respondem: “Porque eu vou apanhar”. Não é porque é errado, porque machuca, porque magoa, porque quebra ou qualquer outro motivo. Ou seja, você está ensinando que não pode, pelo motivo errado. O que nos leva ao próximo tópico:
  • Ele vai crescer. Quando ela ficar grande demais para apanhar, qual outra forma de coação você vai usar?
  • Você vai envelhecer. Segundo a ordem natural da vida, você vai ficar mais velho e seu filho, jovem e forte. Sim, muitos filhos batem nos pais. Não digo, claro, que todos os filhos que agridem os pais apanharam. Mas isso acontece, e muito. É a boa e velha forma de resolver, lembra?
  • Ele não vai confiar em você. Vai ter medo (já falamos disso lá em cima), esconder coisas. Os adolescentes já tem uma tendência a esconder coisas. Bem, pode ser que você crie uma pessoa que será um verdadeiro enigma, de tão fechado que é com você. Você, que apanhava, contava tudo aos seus pais? É difícil (para não dizer impossível) confiar em quem agride a gente. E aí pode ser que um dia seu filho tenha um problema sério e você não estará lá para ajudá-lo, simplesmente porque não tem nem ideia do que está se passando.
  • Seu filho pode se envolver em encrencas sérias. Claro que pode acontecer com qualquer um, mas muito mais em quem tem a cabeça quente e resolve tudo na porrada. A gente nunca sabe quem está do outro lado numa briga.
  • Ou o contrário: seu filho pode se tornar uma pessoa completamente indefesa, insegura e que não reage. E pode não reagir quando for necessário. Quando for ofendido pelos colegas, por exemplo ou quando apanhar dos coleguinhas. (Entenda que reagir é diferente de agredir).

Esse não é um texto de verdades absolutas ou de generalismos (é e sempre será assim, acontece com todo mundo, etc). Como disse, é um convite para a reflexão. Para se colocar no lugar do outro. Existem muitas outras formas de educar que não envolvem violência física. Colocar de castigo, dar um “gelo”, conversar, explicar, premiar o bom comportamento e ignorar o ruim, entre muitas outras opções. Eu, particularmente, sou adepta do amor, da boa conversa, do reforço positivo e da construção de uma relação de confiança.

E aí, vai contar até 10? Conta para a gente!

Foto: Google Images.

Anúncios

48 pensamentos sobre “10 motivos para não bater nos seus filhos

  1. Tati, belo texto. Eu estou procurando ajuda. acho que na verdade devo procurar e um terapeuta ou psicólogo mesmo.
    Meu filho só tem dois anos e 8 meses. Confesso que ele apanha bastante. Fui criada em baixo de peia, minha avo me batia de corda, de cipó, minha mãe me dava chinelada na cara. Hoje é pedagoga e as minhas outras três irmas mais novas não pegaram essa fase das “surras” e hoje minha mãe é que pede pra eu não bater no meu filho.
    O problema é que ele nao obedece de jeito nenhum, não respeita ninguém, a gente fala mil vezes que não pode e ele só para quando pego a chinela ou grito. Sei que ta errado isso, queria muito ser uma mãe melhor, mais carinhosa, passo o dia tentando mais chega uma hora que ele vai alem do limite e acaba apanhando sempre. E depois morro de remorso. Isso pode ser consequência das surras que levei esse meu extinto ruim de bater? nao quero que meu filho cresça como a criança frustrada que eu cresci. onde posso procurar ajuda?

    • Q.bom, como é bom encontrar almas que pensam de fato poucos pensão na dor dos outros de filhos nem se fala nós fomos marcados pela covardia do regimes que dominaram nossa cultura credito que a liberdade excessiva não contribui para um
      futuro promissor, hoje somos levianamente dominados por diversos fatores que as vezes desconhecemos e nos tornamos
      refém de uma cultura social fascista e desalmada em seu bom senso qual mãe agrediria seu filho com palavras de desprezo ou humilhação e até mesmo imporia tal sofrimento com dor ou tortura psicológica a um ser tão maravilhoso uma criança e sendo nosso filho seria de se imaginar que os protegeríamos de tudo até de nós mesmos claro porque não se não conseguimos nos conter nos momentos de difíceis se torna imprescindível buscar solução, agressões aplicadas a crianças deixam lesões seríssimas tanto físicas como psicológicas que as vezes levamos por toda nossa vida, seria muito melhor termos a lembrança do beijo, do abraço apertado, do carinho, das palavras de amor e esperança que podemos transmitir aos nossos filhos, familiares e convívio social nós podemos recusar todas as praticas que nos tornam pessoas insociáveis
      seja de forma direta ou indireta, conhecemos pessoas que socialmente são maravilhosas mas são carrascas de si mesma e de seus familiares em seu convívio familiar, hoje existem leis que inibem e até penas são aplicadas quando há casos de abusos sei as mamães em questão são pessoas maravilhosas que amam seus filhos mas receberam missões especiais
      tirar agua da rocha nossos pequeninos são seres perfeitos pequenos anjinhos e foram entregues para os proteger e educa-los e serem pessoas formidáveis, maravilhosas que ajudaram a criam um mundo melhor, nossos filhos poderiam ser santos e nunca expressar ações contrarias aos nossas desejos ou necessidades mais não é assim conosco e este é nosso
      desafio transformar nossos anjinhos em heróis é uma missão não tão fácil mas emocionante são anos de investimento
      mais cada segundo, minuto, dia, mês, anos são precisos mas vale a pena sim.

      Podemos mencionar vários casos de pais que maltratam seus filhos mesmo sem querer parece que são dominados por
      comandos psíquicos que os obriga a tomar medidas duras demais para ações as vezes insignificante se formos aos youtube e assistirmos vídeos de pais e padrastos que espancas crianças ficaremos tão chocados, irados e podemos até odiar as ações dessas pessoas que as vezes são inimagináveis claro sito apenas como exemplo para entender o que representa uma agressão aos nossos amados filhos.

      Este assunto é muito polêmico pois nem sempre a ótica de quem vê e complacente mas pesquiso constantemente assuntos
      deste e outros gêneros e talvez possa contribuir, se você é mamãe que tem um tempo disponível tempo em casa ou no escritório, no trabalho crie um blog ou fanpage que aborde este assunto com outras mamães compartilhe ajude outras pessoas a encontrar solução não precisa mencionar que também precisa de ajuda mas de ajuda que busca, claro você buscará informações sobre o assunto para aconselhar outras pessoas mas você ficará tão grata de ver mamães te agradecendo enviando palavras de profunda gratidão e reconhecimento que você será uma mamãe mais do que perfeita
      outro fato é que você precisa de informação metafísica de cunho espiritual não religioso para abraçar qualquer causa
      que leve solução, claro nem tudo é aproveitável mas tem conteúdos maravilhosos que fará de você uma pessoa melhor e plenamente realizada entendendo leis que que governam os princípios da vida.

      Material de excelente conteúdo com certeza abrirá sua mente nas áreas financeira, pessoal, social. profissional, espiritual e familiar.
      ( Vídeos de acesso no youtube )
      Artigos de Louise Hay.
      audiobook. Como fazer amigos e influenciar pessoas.
      audiobook. Pai rico pai pobre.
      audiobook A procura da felicidade.
      audiobook. O segredo a lei da atração.
      audiobook. Os segredos da mente milionária.

      Segundo a Dra. Denise Carreiro muitas crianças e adultos tem seus comportamentos comprometidos por distúrbios
      neurológicos causados por toxinas contidas em diversos alimentos industrializados e materiais como plástico, agua
      de má qualidade, roupas com tecidos tóxicos, caixa dágua em pvc liberando xenotoxinas é assunto é muito extenso para
      ir mais a frente mas os médicos abaixo retratam este assunto de forma plena e após assistir- los suas vidas jamais serão as mesmas.

      Profissionais fantásticos.

      ( Vídeos de acesso no youtube )
      Dra. Denise Carreiro
      Dr. Lair Ribeiro.
      Dr. Augusto Vinholis.
      Dr. Kater.
      Dr. Naif Tadeu

      Dr. Augusto Cury ( academia da criança projeto maravilhoso ).

      Bom me despeço agradecendo por vocês mamães serem maravilhosas e corajosas, mães que amam e protegem seu
      maior patrimônio, seu tesouro precioso por causa de suas atitudes é que acredito no sucesso de cada uma de vocês
      e todas as mamães que assumem esta postura de construir um lar solidificado cheio de amor, alegria, paz, felicidade ensinando a nossos filhos que eles são o futuro do nosso mundo, que são verdadeiros campeões e sempre suas mamães
      e seus papais dedicaram suas vidas para educa-los e defende-los com muito, muito, muito, amor, carinho e a certeza de que
      foram ao extremo tendo a certeza de fizeram o melhor e o melhor e que o amor nunca falha.

      M.Lemos
      Mais uma vez meus agradecimentos aos profissionais citados e todas as mamães.

  2. Meu filho tem 10 meses, mas já é bastante esperto e traquina. A gravidez foi planejado, porém acho que eu não me preparei direito para tudo isso.
    Quando eu era pequena, não apanhava muito, mas convivia com agressoes o tempo todo. Acho que isso me afetou muito. Então hoje eu tenho um pavio muito curto, não tenho paciência com nada e faço as coisas por impulso, mas depois eu sempre me arrependo e choro. Estou em busca de tratamentos, pois eu sou muito cobrada em relação a filho, casa, colégio e outras obrigaçoes. Ja tentei contar até 100, mas quando chega na metade eu sempre estoro. Se você conhecer algum metodo que possa me acalmar e poder me ajudar, eu fico muito grata.

  3. Eu sou filho e tenho 11 anos sofro pela maioria das coisas como nao confiar mais em minha propia mae isso e errado mais e a verdade e ela fala que eu escondo as coisas por besteira ai piora minha situaçao isso e horrivel para mim de verdade nao sou nenhum profissional nisso(pela minha idade obviamente claeo que nao ne) mas acho isso mt errado para mim e para todas as crianças que ja e sofrem por isso ;=;

  4. Apanhei minha vida inteira.
    Desde que nasci, ate meus 23 anos eu apanhei. Alias fui espancada pelos meus pais.
    A ultima surra que levei foi com 23 anos.
    Soh parou com minha gravidez e saida de casa.
    Hoje tenho 29 anos e esse ano meus pais fizeram uma falsa denuncia de maus tratos ao conselho tutelar. A qual provei na justica que era mentira.
    Nao contente entraram com pedido de guarda total do meu filho.
    Muito sofrimento me vem a cabeca quando lembro dos meus pais.
    Esse ultimo golpe foi fatal. Acabou comigo, com meu marido e pai do meu filho.
    Nao vejo a menor possibilidade de voltar a falar com eles.
    Posso dizer com toda a clareza do mundo que pais podem ser ruins sim.
    Sempre fui espancada por nada.
    Hoje sou uma adulta com auto estima baixissima. Sofro de andiedade, depressao e insonia.
    Meus pais conseguiram acabar comigo.
    Se voce bate em seus filhos Pelo Amor de Deus pare!
    Eh horrivel.

  5. Oi Tati, concordo inteiramente com o seu ponto de vista. Eu e minha esposa conversamos recentemente sobre esse assunto, de abolirmos qualquer ato agressivo contra nossos filhos, mesmo que seja uma “inocente”palmadinha.Afinal, não saimos por aí batendo em pessoas que fazem coisas com as quais não concordamos, não é? Por que fazer com as criaturinhas que mais amamos? Como vc disse, quebremos esse ciclo de violência, Abraço…

  6. olá,Eu fui muito espancado pelo meu pai, Aos 8 anos ele me socou e eu desmaiei , Fiquei sem conversar com ele por muito tempo, Fazia o que ele me pedia mais nem olhava na cara dele, Depois de algum tempo ele resolveu me espancar de novo, Pelo simples fato de não ter passado de série no colégio,Bom quando eu fiz 15 anos o meu pai separou da minha mãe, dai então eu e meu irmão saímos de casa, Resumindo Com 18 anos já estava casado legalmente , e hoje tenho 33 anos, tenho 1 casal de filhos, Porém me tornei um adulto frustado, Tenho problemas de insonia, Sofro muito de ansiedade. E acabei me tornando uma pessoa quase insuportável, Tento me policiar o tempo inteiro Principalmente na educação de meus filhos, sofro quando tenho que corrigir os meu filhos, Eu sempre estou tentando chama-los pra conversar e tentar fazer com que eles entendam que as coisa nem sempre é como eles gostaria que fosse.. A pouco tempo eu acabei perdendo o controle e peguei um cinto e bati neles, não por ter feito algo de errado mais por ter conversando com eles várias vezes, e não foi uma surra atoa não foi pra valer… mais em seguida eu fico destruído , me sinto um lixo de ser humano, Uma tristeza me toma, uma agustia que não cabe dentro de mim, Pois não quero que meus filhos cresçam tendo uma imagem negativa de mim, Como eu tive e tenho ainda hj do meu pai, Quero ser um pai melhor e de fato preciso de ajuda..Acho que foi mais um desabafo , Peço desculpa ao leitores , Mais caso alguém conheça algo que possa me ajudar por favor me envie.. Grato !

  7. Tive uma infância triste, Todo dia eu apanhava em casa dos meus pais, com o tempo passei a desenvolver uma insegurança e também passei a apanhar na escola eu simplesmente não me defendia só apanhava por conta da insegurança que tinha desenvolvido, ou seja apanhava em casa e na escola todos os diass até os 15 anos de idade, Isso influenciou muito na minha personalidade, me tornei um cara muito frio e calculista. Por isso pense bem antes de bater um filho seu, pois não vai estar corrigindo e sim o transformando em uma fera e lá na frente terá consequências .

  8. Minha mãe me bateu durante toda a minha infância. Pelos motivos mais fúteis do mundo. Bastava estar brava com meu pai e lá vinha grosserias. Durante toda a minha infância também,fui abusada sexualmente, o algoz era irmão do meu pai. Sabendo que minha mãe era violenta ele aproveitava isso e usava para me ameaçar. Eu nunca achei que minha mãe fosse minha amiga. Quando cresci e fui mãe, quase surtei. Contei pra ela a verdade, ela jogou a culpa em mim. NUNCA VOU PERDOAR O ERRO DELA. Ela negligenciou na hora de cuidar dos filhos.

    • Sinto muito por vc.
      Você deve perdoá-la, mas não precisa esquecer o que aconteceu. Ela é um ser humano, sujeita ao mal como todos nós, ela foi fraca, não soube ser sua mãe, mas sua paz interior é muito mais importante que qualquer ser humano. Deus te abençoe.

  9. Estou em lágrimas, pois tudo que foi dito neste texto eu fiz e meu filho tem 4 anos e ele sempre apanha e tem dificuldade de se relacionar com outras crianças, depois de ler esse texto me sinto a pior pessoa do mundo daqui pra frente nunca mais vou bater ou dar chineladas no meu filho e ele é tão querido, gostaria de outras dicas para como lidar com situasituações quando uma criança faz birra. Obrigada pelo belo texto e por ajudar a ver esse lado tão perverso nosso.

    • Fiquei muito feliz quando li seu comentário. Você reconhece que errou e se arrepende. Você é uma pessoa boa. Continue dando o seu melhor, sei que se sairá bem. Deus abençoe vc e sua família.

  10. As pessoas são agressivas. cara! Você não percebe? Tudo se resolve na porrada. Não é assim. Quem precisa bater não sabe se impor e não tem moral. A criança que vc espanca hoje, vira o espancador de amanhã.

Os comentários estão desativados.